Voando com o Esquadrão Pelicano

 

Bell H-1H Iroquois do Esquadrão Pelicano - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br Embraer SC-95B Bandeirante SAR do Esquadrão Pelicano - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br A simulação começa quando o Comando de Operações Aéreas recebe as informações sobre um acidente fictício - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br Acionada pelo COA, a equipe de resgate começa a planejar a missão - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br
Com as informações sobre a região da busca, os tripulantes traçam o plano de vôo - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br Durante a preparação da aeronave, são definidos os últimos detalhes da missão - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br As aeronaves estão sempre prontas, mas precisam ser equipadas de acordo com o tipo de missão - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br Os tripulantes preparam seus equipamentos, enquanto o piloto inspeciona a aeronave - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br
Por ser mais veloz, o SC-95B Bandeirante SAR é o primeiro a decolar e vai chegar primeiro sobre a região do resgate - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br Embraer SC-95B Bandeirante SAR do Esquadrão Pelicano - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br Painel de instrumentos do Bell H-1H Iroquois - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br Chamado carinhosamente de “sapão” pelos seus tripulantes, o H-1H taxia para a cabeceira 24 - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br
Decolando da pista 24/06 da Base Aérea de Campo Grande - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br Antes de iniciar a missão, o “sapão” e o SC-95B realizaram diversas passagens sobre a Base Aérea de Campo Grande, para uma seção de fotos - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br Embraer SC-95B Bandeirante SAR do Esquadrão Pelicano - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br O “sapão” segue para a região da busca, realizando uma navegação a baixa altura (NBA) - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br
Para o resgate em combate (C-SAR), os H-1H são armados com metralhadoras e lançadores de foguetes - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br O “sapão” se aproxima da área do exercício, onde vai deixar a suposta vítima - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br O pouso foi em uma clareira, decolando logo em seguida para continuar o exercício - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br Bell H-1H Iroquois do Esquadrão Pelicano - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br
Para maior precisão nos saltos, a equipe de resgate utiliza paraquedas esportivos, muito mais manobráveis - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br Antes de chegar ao solo, os paraquedistas lançam fumígenos, para saber a direção do vento - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br A suposta vítima é imediatamente imobilizada e passa por uma avaliação dos seus ferimentos  - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br Diante da gravidade da situação, a equipe decide remover a vítima, utilizando uma maca trazida pelo helicóptero - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br
Um tripulante desce ao solo, para ajudar a preparar a vítima para o içamento - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br O “sapão” armado se aproxima, para dar cobertura no momento mais crítico da missão - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br A vítima é içada para o helicóptero de resgate - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br Orbitando em volta, o helicóptero armado protege o de resgate - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br
Terminado o resgate, tem início a simulação de infiltração e exfiltração de soldados - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br O pouso é feito numa clareira, com a máxima velocidade para não se expor ao fogo inimigo - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br Ao soldados desembarcam e começam a fazer a varredura do terreno - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br Em seguida, é feita a simulação da exfiltração de um agente infiltrado no terreno inimigo - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br
Após recolher os soldados, o helicóptero decola, encerrando a missão - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br O “sapão” pousa novamente na clareira para recolher o autor e retornar para a Base Aérea de Campo Grande - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br O outro “sapão” recolhe o restante dos militares envolvidos no treinamento - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br A área escolhida para o treinamento fica dentro de uma fazenda a cerca de 20 km de Campo Grande - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br
A Base Aérea está localizada a pouco mais de 10 km do Centro de Campo Grande - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br No sentido da pista 06/24, a Base Aérea fica do lado direito e o Aeroporto Internacional do lado esquerdo - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br O “sapão” na aproximação para o pátio da BACG - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br Em dezembro de 2007, o Esquadrão Pelicano comemorou 50 anos de existência, aplicando uma bolacha comemorativa nos Bandeirantes - Foto: Luciano Porto - luciano@spotter.com.br

 

No dia 27 de outubro de 2007, o SPOTTER participou de uma operação de treinamento com o Esquadrão Pelicano na Base Aérea de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, envolvendo diversos helicópteros e aeronaves, praticando todas as missões da Unidade. Durante o exercício, os helicópteros H-1H realizaram navegação a baixa altura, busca e salvamento em combate e infiltração e exfiltração de tropas especiais, enquanto o SC-95B realizou missões de busca e salvamento, com o lançamento de paraquedistas para socorrer uma vítima simulada. Todas as fotos são de Luciano Porto.

 

Copyright © www.spotter.com.br - Reservados todos os direitos - All rights reserved