2º/2º GT - Esquadrão Corsário

 

O Segundo Esquadrão do Segundo Grupo de Transporte, o Esquadrão Corsário, foi criado pela Portaria nº 008/GM3, de 18 de janeiro de 1968, na Base Aérea do Galeão, no Rio de Janeiro, para operar os quadrimotores Douglas C-118 Liftmaster da Força Aérea Brasileira. No dia 22 de abril, o Esquadrão Corsário iniciou suas atividades, servindo principalmente ao Correio Aéreo Nacional (CAN) em suas linhas nacionais e internacionais e provendo apoio ao Projeto Rondon.

 

Até dezembro de 2016 o 2º/2º GT estava subordinado à Quinta Força Aérea (V FAe). Com o objetivo de promover o incremento da eficiência administrativa e maior racionalidade da estrutura organizacional, em dezembro de 2016 o Comando da Aeronáutica extinguiu o Comando-Geral de Operações Aéreas (COMGAR), o Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMDABRA), as quatro Forças Aéreas (I FAe, II FAe, III FAe e V FAe) e os Comandos Aéreos Regionais (I COMAR, II COMAR, III COMAR, IV COMAR, V COMAR, VI COMAR e VII COMAR). Nesse processo de reestruturação, o COMGAR foi substituído pelo Comando de Preparo (COMPREP), o COMDABRA pelo Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE) e as Bases Aéreas foram transformadas em Alas, mantendo sob sua subordinação as Unidades Aéreas sediadas em cada uma delas. Assim, a Base Aérea do Galeão se tornou a Ala 11, e nela estão sediados o 1º GTT (Esquadrão Coral e Esquadrão Cascavel), o 1º/1º GT Esquadrão Gordo, o 1º/2º GT Esquadrão Condor, o 2º/2º GT Esquadrão Corsário e o 3º ETA Esquadrão Pioneiro.

 

Aeronaves

 

Com a desativação dos Douglas C-118 Liftmaster em 1975, o Esquadrão Corsário recebeu seis BAe (Hawker Siddeley/Avro) C-91A Avro, equipados com motores turbo-hélice. Em abril de 1978 os C-91A foram entregues ao Esquadrão Condor e em seu lugar passaram a operar os Embraer C-95A Bandeirante, de fabricação nacional.

 

Entre os anos de 1986 e 1987, o Esquadrão Corsário recebeu quatro Boeing 707-320, designados KC-137 na FAB, equipados com quatro motores a jato e grande capacidade de carga, possibilitando a ampliação de suas atividades. As quatro aeronaves pertenceram à empresa aérea VARIG e foram modificadas na Boeing Military Company, em Wichita (Kansas - USA) para atuarem como aviões de reabastecimento em voo (REVO), transporte aerologístico e transporte especial. Os quatro aviões receberam os números de série FAB-2401, FAB-2402, FAB-2403 e FAB-2404, com a conversão operacional dos pilotos e mecânicos realizada pela VARIG. Com o KC-137 o Esquadrão Corsário realizava missões de reabastecimento em voo, transporte de tropa e de carga, além da formação e adestramento das suas equipagens operacionais e equipes de manutenção, capacitando-as ao emprego em combate.

 

Nas missões REVO o Esquadrão Corsário realizava o apoio e reabastecimento dos caças da FAB em todo o território nacional e até no exterior, durante exercícios militares. De julho de 1986 até a chegada do Airbus VC-1A no início de 2005, o Esquadrão Corsário realizou o transporte do Presidente da República em viagens oficiais ao exterior com o KC-137 FAB-2401, que teve o seu interior modificado para o padrão de transporte VIP, mas manteve a sua capacidade REVO. Essa aeronave tinha como missões principais o REVO e o transporte de tropa, mas podia ser convertida novamente para o transporte VIP.

 

No dia 26 de maio de 2013, o FAB-2404 sofreu um acidente ao decolar do Aeroporto Internacional Toussaint Louverture, em Porto Príncipe, no Haiti, quando trazia de volta 131 soldados brasileiros integrantes da MINUSTAH (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti), além de 12 tripulantes. Não houve feridos e a aeronave não sofreu grandes danos, mas a sua recuperação em um país distante envolveria grandes esforços materiais e humanos, motivo pelo qual a Força Aérea Brasileira decidiu desmontá-la e trazer de volta por via marítima, para ser utilizada como fonte de peças para as outras três aeronaves.

 

No dia 10 de outubro de 2013, durante a Cerimônia Militar realizada na Base Aérea do Galeão para comemorar os 45 anos do Esquadrão Corsário, a Força Aérea Brasileira anunciou a aposentaria dos três Boeing KC-137 restantes, após 27 anos de atividades. Como não havia nenhuma aeronave para substituí-los, o Esquadrão Corsário suspendeu as suas atividades enquanto aguardava a chegada de um novo vetor.

 

No dia 08 de junho de 2016, a Força Aérea Brasileira assinou em Washington, Estados Unidos, um contrato com a Colt Transporte S.A. para o aluguel de um Boeing 767-300ER por um período de três anos, prorrogável por mais um, incluindo a manutenção e o seguro da aeronave. Entregue oficialmente no dia 10 de julho de 2016, designada como C-767 e com a matrícula FAB-2900, essa aeronave veio para cumprir as missões de transporte estratégico, de ajuda humanitária, missões diplomáticas e transporte aerologístico solicitadas ao Esquadrão Corsário, proporcionando uma capacidade de carga e alcance muito superior ao seu antecessor. O FAB-2900 pode transportar 257 passageiros e a sua capacidade de carga é de 38 toneladas, com volume total de 115 m3, somando os dois porões.

 

Fonte: SPOTTER / CECOMSAER

 

RETORNAR