CIAvEx

 

Através do Decreto n° 2.961, de 20 de janeiro de 1941, foi criado o Ministério da Aeronáutica e extintos o Corpo de Aviação da Marinha, a Arma de Aeronáutica do Exército e o Conselho Nacional de Aeronáutica. A Aviação do Exército ressurgiu através do Decreto n° 93.206, de 03 de setembro de 1986, com a criação do Primeiro Esquadrão de Aviação do Exército em Taubaté, no interior do Estado de São Paulo. Após sucessivas reorganizações, no dia 01 de janeiro de 2005 os Esquadrões de Aviação passaram a ser denominados Batalhões de Aviação, com a estrutura composta basicamente por uma Esquadrilha de Helicópteros de Reconhecimento e Ataque (EHRA), duas Esquadrilhas de Helicópteros de Emprego Geral (EHEG), uma Esquadrilha de Manutenção e Suprimento (EMS) e uma Esquadrilha de Comando e Apoio (ECAP). Como integrantes da Força de Ação Rápida (FAR), os Batalhões de Aviação do Exército, dentro de suas capacidades, podem atuar em qualquer lugar do país.

O CIAvEx (Centro de Instrução de Aviação do Exército) foi criado no dia 26 de setembro de 1991 e efetivado no ano seguinte em Taubaté, tendo suas origens no Núcleo do Centro de Instrução de Aviação do Exército, implantado com o objetivo de iniciar os trabalhos que permitiriam a criação do CIAvEx. Enquanto as suas instalações estavam sendo construídas, os primeiros instrutores foram formados na Marinha e na Força Aérea Brasileira, para depois se incorporarem ao efetivo do CIAvEx.

Atualmente a estrutura operacional do CIAvEx é composta por uma Esquadrilha de Helicópteros de Instrução (EHI) denominada Esquadrilha Pégaso, e ministra cursos e estágios visando a formação, especialização e aperfeiçoamento de pilotos e tripulantes para a Aviação do Exército. Cabe ainda ao CIAvEx a padronização de procedimentos técnicos e táticos no âmbito da Aviação do Exército.

Aeronaves

O Helibras (Eurocopter) HA-1 Fennec é uma versão militar do monomotor civil AS350 Ecureuil projetado pela Eurocopter (AS550 A2 Fennec), montado no Brasil pela Helibras. Equipado com um motor Turbomeca Arriel de 625 shp, o Fennec pode ser armado com lançadores de foguetes SBAT de 70 mm e metralhadoras axiais de calibre .50 (12,7 mm). Na Aviação do Exército, os Fennecs são utilizados basicamente para cumprir missões de reconhecimento e ataque. Para cumprir missões de evacuação aeromédica e transporte de carga externa, o HA-1 pode ser equipado com um gancho externo com capacidade para 750 kg e guincho lateral para 136 kg. Em 2014 o Exército Brasileiro começou a receber a versão modernizada do Fennec, então denominada Fennec AvEx. As aeronaves modernizadas estão equipadas com um novo sistema aviônico e piloto automático, painel com mostradores digitais e melhorias nos sistemas de comunicação e navegação. Em agosto de 2021, o Estado-Maior do Exército alterou a designação do HA-1 Fennec AvEx para HA-1A Fennec.

Fonte: SPOTTER / Comando do Exército

.

.

RETORNAR

.

.

.

.